IBOVESPA – O ÍNDICE DA BOLSA DE VALORES.

Tempo de leitura: 3 minutos

Nós aqui no blog já contamos para vocês a origem da Bolsa de Valores de São Paulo desde os seus primórdios e como é o seu funcionamento. Já abordamos também sobre o seu principal índice, sendo ele uma das maiores referências econômicas mundiais, o Ibovespa.

Falando ainda sobre o Ibovespa, é certeza que você já ouviu em algum lugar a notícia “O Ibovespa caiu 500 pontos” ou “O Ibovespa subiu 1,5%”.

Mas será que já passou pela sua cabeça o que são esses tais pontos? O que eles representam? E como sua queda ou elevação afetam o valor das companhias listadas? Para responder essa e outras questões, vamos ao artigo de hoje!

Pontos, o sobe e desce do mercado.

Como dito no artigo sobre o Ibovespa (clique aqui para ler), ele é um índice que serve como referência do mercado brasileiro de ações, visto que ele é uma carteira teórica com a participação percentual das principais empresas do país.

Para que os investidores tivessem um parâmetro de crescimento ou de queda das empresas da Bovespa, foi criada então em 2 de Janeiro de 1968 (criação do Ibovespa) uma carteira teórica com os principais ativos da época com um valor inicial em 100 pontos. Com o passar do tempo esses pontos apresentavam crescimento ou queda, de acordo com o valor de mercado das empresas que faziam parte dele.

Em um exemplo simples, podemos dizer o seguinte:

As empresas A, B e C juntas valem R$ 100,00 em 01/01/2000. A participação de cada empresa pode ser vista no quadro abaixo.

No nosso exemplo, as variações das empresas individuais resultaram na mudança percentual de cada uma em relação ao índice, além de aumentar o número de pontos do índice, que no fim é a representação do crescimento das empresas que o compõem.

Com o Ibovespa é a mesma coisa. Ele varia de acordo com a variação individual de cada empresa que faz parte dele.

Os pontos do Ibovespa levam também em conta o reinvestimento automático dos dividendos pagos pelas empresas, sem que o investidor tenha resgatado estes proventos.

Na prática, os pontos do Ibovespa representam quanto um investidor teria na data de hoje se tivesse aplicado seu capital na carteira em 1968 e tivesse reinvestido os dividendos pagos desde a sua criação até a data de hoje.

Multiplica, divide, some e subtrai.

Para adequação do Ibovespa, a carteira passa por atualizações quadrimestrais (três por ano) a fim de trazer melhor sensibilidade ao índice, quando este adiciona ou remove algumas ações da carteira ou aumenta e diminui a participação delas em relação ao total do índice.

(Nós já falamos sobre a composição do Ibovespa e você pode acessá-la clicando aqui).

Além dessa organização quadrimestral, os pontos do Ibovespa podem passar por alterações diretas para descontar efeitos que inflariam o número de pontos como a inflação, por exemplo, em uma época que a inflação podia subir mais de 80% ao dia!!!

O número de pontos já passou pela divisão por 100 em 1983 e pela divisão por 10 nos anos: 1985, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, duas vezes em 1993, 1994 e 1997. Sem essas divisões, o índice teria muitos mais “zeros” do que possui hoje e você veria no jornal a seguinte notícia:

“O Ibovespa hoje saltou de 45.985.750.450,02 pontos para 45.986.753.259,13!”

Pense na confusão!!!

Então é isso ai, agora que você sabe como funcionam os pontos do Ibovespa, já sabe se a sua carteira de ações está lucrando ou dando prejuízo. Ah.. se você quer aprender na prática como investir em ações clique aqui e treine em um dos simuladores Bovespa! Se gostou do artigo compartilhe com os amigos.

Até a próxima!

Deixe uma resposta