Risco de Crédito – As agências de Crédito.

Risco de Crédito – As agências de Crédito.

2
5
SHARE

Muito se vê nos noticiários de economia que países e empresas possuem notas de riscos. Mas, que tipo de risco é esse? O que ele influência no nosso dia a dia? Quem calcula estas notas? O que elas representam?

Para esclarecer estas e outras dúvidas vamos falar do tema principal deste artigo:

Risco de crédito, as agências que fazem as avaliações e as qualificações de cada classificação.

Para explicar melhor este artigo vamos quebra-lo em quatro blocos:

1-      Risco de crédito:

A priori temos que entender o que estas duas palavras significam separadamente para depois entender seu contexto juntas. Podemos definir da melhor maneira as palavras risco e crédito como:

  • Risco: incerteza, perigo, imprevisibilidade, algo de difícil mensuração.
  • Crédito: confiança, boa fama, direito a empréstimo, disposição monetária.

Bem. Lendo as duas palavras separadamente não fica muito claro aonde queremos chegar, mas se aproximarmos ambas em um mesmo contexto podemos enxergar diversas possibilidades de significados para elas, tais como: “perigo ao emprestar dinheiro”, “imprevisibilidade na devolução de um empréstimo”, “incerteza em disponibilizar dinheiro” dentre outras possibilidades.

Independente da combinação o que temos que ter em mente é:

O risco de credito avalia a capacidade de uma pessoa, empresa ou país em honrar seus compromissos financeiros perante terceiros

Ou seja, qual é a capacidade da empresa ou de um país pagar suas dívidas adquiridas com outras empresas e países?

2-      Agências de classificação de risco:

As agências que classificam os riscos de países e empresas são conhecidas como agências de ratings e tem a função básica de atribuir notas para determinar em qual classe de risco o país/empresa se encontra.

Estas empresas avaliam e atribuem notas classificatórias de acordo com a situação do objeto estudado além de verificar a confiança que o país/empresa possui no compromisso de pagar suas dívidas no prazo acordado.

As empresas mais famosas e respeitadas nesta área são: Moody’s, Fitch Ratings e Standard & Poor’s. Cada uma destas empresas possui seu próprio método de avaliação e classificação de notas para atribuir de acordo com o resultado da apuração financeira do país/empresa.

Estas avaliações são realizadas principalmente em bancos, grandes empresas e países sendo que nos dois primeiros ela estipula notas para as emissões de dívidas da empresa, que é quando uma empresa precisa de dinheiro e emite títulos de dívidas (debêntures) a fim de arrecadar este dinheiro. A empresa de rating classifica qual é o risco de um comprador deste título receber o pagamento no final do prazo acordado com os juros estabelecidos na emissão da dívida.

Já para países a classificação é realizada para mensurar qual o risco de um país não honrar seus pagamentos de títulos lançados no mercado internacional. As agências também classificam os países de acordo com a qualidade de se investir nele atribuindo notas de grau de investimento aonde o país pode ser considerado um bom ou mau negócio na hora de se investir.

(Existe ainda um investimento que protege você das crises nos países. Clique aqui e conheça o CDS).

3-      Notas de classificação de risco:

Como já dito cada agência de rating possui sua classificação para suas notas de risco. As agências as atribuem de acordo com o nível de consistência, confiança e maturidade financeiro-econômica que o país/empresa possui.

Veja as notas:

Quando um país/empresa recebe uma nota, junto a ela vem também um viés que é a perspectiva que a empresa tem para aquela nota. São três tipos de vieses possíveis:

1-      Positivo: a nota tem a possibilidade de ser melhorada.

2-      Negativo: a nota tem a possibilidade de ser rebaixada.

3-      Estável: a nota não sofrerá modificações.

Estes três vieses são um palpite que a agência tem sobre a nota que foi atribuída.

4-      Conclusão:

Ao final deste artigo podemos concluir que as agências existem para auxiliar stakeholders (interessados) a tomarem suas decisões baseadas no grau de risco que determinado país/empresa possui.

Avaliar o grau de risco que você está disposto a correr é uma característica pessoal e deve ser muito bem medida já que as agências dão nada mais do que um norte na hora de se investir.

Se gostou não deixe de compartilhar com os amigos!

Até a próxima!

SHARE
Previous articleBlocos econômicos, ALCA
Next articleVocê salvou a minha vida!
Graduado em Ciências Contábeis, possui MBA em Investment Banking e está agora iniciando seu mestrado em economia. Atualmente trabalha no mercado financeiro e escreve os blogs com o objetivo de ajudar as pessoas a conhecerem um pouco mais acerca do mundo econômico, contábil e administrativo e sobre tudo o que isto implica.

5 COMMENTS

  1. […] Depende. Se estivermos falando dos EUA eu diria que muito pequena. Se estivessemos falando da Argentina eu diria, hoje, que muito grande. O risco de um país quebrar está diretamente ligado à sua gestão da economia. Países com economias mais robustas tendem a possuir mais recursos para rodar as suas atividades, mas isso não significa que um bom país não pode desandar, basta ver a parada econômica que os EUA sofreram, Para acompanhar a nota de risco de cada país verifique os sites de classificação de risco. (clique aqui) […]

Deixe uma resposta